fbpx
Escolha uma Página

sigmaABC: Tecnologia na lavoura

por | 25 ago 2020 | Inovação, Tendência

Nos últimos anos, vemos que o crescimento da utilização de tecnologia no segmento do agronegócio brasileiro, está cada vez maior.

Isto porque ela ajuda a melhorar o gerenciamento das atividades da fazenda e aumentar a produtividade, trazendo diversos benefícios.

Pensando nisso, apresentamos o sigmaABC, um sistema integrado de gerenciamento e monitoramento agronômico disponível para todos os cooperados das cooperativas: Frísia, Capal e Castrolanda. Esta plataforma é desenvolvida pela Fundação ABC, uma instituição de pesquisa Agropecuária que realiza pesquisa aplicada para desenvolver e adaptar novas tecnologias, com o objetivo de promover soluções para o agronegócio aos mais de 5 mil produtores rurais filiados, nos mais de 450 mil hectares de lavoura.

O que é o sigmaABC?

É uma Multiplataforma Digital Agronômica –  abrange web e versão mobile (aplicativo) de apoio, que é composta de 31 módulos e integra e gerencia todas as informações de campo.

De acordo com o Fábio Crestani, gerente de Vendas do sigmaABC, “a plataforma proporciona aos produtores, funcionários das fazendas e agrônomos, uma série de informações e ferramentas que auxiliam toda cadeia de produção agrícola, em tomadas de decisões mais acertivas, seja no manejo de doenças, pragas e plantas daninhas, seja em dados agrometeorológicos, ou ainda em dados agronômicos coletados que beneficiarão os próprios agricultores ”.

O que faz o sigmaABC?

O sistema permite que os produtores rurais consigam saber informações sobre áreas cadastradas por eles mesmos ou por sua equipe.  

Além disso, ele informa sobre o andamento das operações de campo, proporcionando maior participação e acompanhamento das atividades das fazendas, auxiliando inclusive no processo de sucessão familiar..

Treinamento para entender a usabilidade

Crestani explica que, dos mais de 450 mil hectares que compõem as cooperativas ABC, toda área já está integrada ao sigmaABC e em torno de 200 mil  hectares já estão em pleno uso.

Para o produtor ter acesso ao sistema, é preciso passar por um treinamento antes (média de 3 horas) e só depois é possível começar a utiliza-lo.

Resultados de quem já usa

“Assim como qualquer outro aplicativo, mesmo não sendo da área agrícola, ele (produtor) passa por uma fase de adaptação, treinamento, aceitação”, esclarece.

Depois que o produtor ou agrônomo comprova a eficácia e as vantagens que o sigmaABC oferece para o trabalho no dia a dia, isso incentiva o uso do mesmo cada vez mais. Como toda plataforma digital, ela está em constante aprimoramento e sempre ouvindo e atendendo as necessidades atuais e futuras dos seus usuários.

Para Fábio, os produtores estão bastante animados e a aceitação é muito boa.

Vantagens do SigmaABC

– Planejamento;

– Recomendações;

– Execução e rastreabilidade de cada operação;

– Ferramentas de agrometeorologia (radares meteorológicos, previsão do tempo por talhão);

– Imagens de satélites;

– Controle econômico;

– Manejo de insumos.

Outra vantagem bastante comentada, é a de pragas, plantas daninhas e doenças, que de acordo com o gerente de vendas do sigmaABC, o responsável vai a campo (produtor ou a equipe operacional da fazenda) e pontua geograficamente, qual praga/doença está presente na lavoura. Esses dados são então, compartilhados com todos os usuários do aplicativo, informando onde e quais foram os problemas encontrados.

Ele ressalta que as informações dos produtores que fazem parte das regiões alcançadas pelo sigmaABC são preservadas e somente os dados inseridos são divulgados.

Por enquanto o sistema está disponível somente para os cooperados da Frísia, Castrolanda e Capal, porém, o próximo passo será expandi-lo para fora das cooperativas.

Para mais informações sobre o sigmaABC, acesse: https://www.sigmaabc.org/ ou ainda podem falar diretamente com o Fábio Crestani, através do número (42) 98887-8070.

Posts relacionados

Brasil produz alimentos para o mundo com segurança

Brasil produz alimentos para o mundo com segurança

Muitos questionam se é possível o Brasil produzir alimentos para todo o país e ainda exportar para mais de 1,2 bilhão de habitantes em todo o mundo e com sustentabilidade. A resposta é sim.