fbpx
Escolha uma Página

A vida é boa na fazenda “The Family Pig”

por | 6 jul 2020 | Inovação

Grupos de quatro porcas cuidam dos filhotes juntos e os leitões aprendem a fazer xixi no urinol. Em Venhorst, na província holandesa de Brabant, um consórcio está pesquisando um projeto inovador de galpão ecologicamente correto e livre de maus tratos chamado “The Family Pig”. Tudo gira em torno daquilo que faz os porcos felizes.

A comida é derramada por um braço rotativo pendurado no teto do galpão. Porcas e leitões pulam e caem um sobre o outro. Eles buscam pela ração espalhada com o nariz. Tudo parece mais divertido do que os porcos que se amontoando em torno de valas em galpões convencionais. E os porcos certamente têm espaço neste galpão: mais de 1.000 metros quadrados para as porcas e seus filhotes.

Grupos de quatro porcas cuidam dos filhotes juntos, cada quarteto em sua própria seção, onde criam cerca de 60 leitões juntos por cinco semanas. Os 60 leitões, cujos rabos enrolados não são removidos, se alimentam mais livremente do que os leitões em galpões convencionais, com piso de ripas e poço de chorume.

“Os porcos são naturalmente animais sociais e isso os deixa felizes”, diz Tjacko Sijpkens. “E um porco feliz é mais saudável, mais forte e produz carne mais saborosa”. O consultor de negócios Sijpkens notou alguns anos atrás que a criação de porcos não tinha uma ótima imagem. No que se refere às questões de bem-estar animal e o problema com excesso de emissões de esterco e amônia, esse setor geralmente é alvo de críticas.

Então em uma fazenda experimental recém-construída em Venhorst, em Brabant, o consultor de negócios da província de Groningen, no norte do país, tomou a iniciativa, em maio de 2019, para iniciar um ‘laboratório vivo’, onde inúmeras novas ideias são testadas. Esse empreendimento é chamado “The Family Pig”, em português “O porco da família”. Wageningen está contribuindo para o projeto com experiência em comportamento e bem-estar animal.

Nos criadouros, os leitões são alimentados por suas mães durante as primeiras cinco semanas, mas logo começam a ser alimentados com ração peletizada também. As porcas deixam o criadouro após algumas semanas e retornam juntas para um espaço central. Os leitões vivem por 24 semanas, uma ou duas semanas a mais do que no sistema convencional, no qual são separados de suas mães após quatro semanas em vez de cinco. “Pesquisas científicas mostraram que o contato entre porcos quando filhotes melhora suas habilidades sociais, para que eles não se mordam, por exemplo”, explica Liesbeth Bolhuis, do Grupo de Presidentes de Wageningen Adaptation Physiology. O comportamento dos porcos é registrado pelos estudantes e, principalmente neste período de coronavírus, por câmeras de vídeo.

Em outro lugar do galpão, há um mictório no qual os leitões aprendem a fazer xixi. Quando o fazem, são recompensados ​​com uma gota de xarope que sai de uma bomba. Já as fezes são direcionadas para uma seção diferente, apelidada de ‘cocô’. “A grande vantagem de separar os excrementos na fonte é que não se forma amônia”, explica Sijpkens. Isso reduz as emissões de nitrogênio no meio ambiente e o impacto negativo sobre os moradores locais e o agricultor. Mas isso não é tudo: “Também é mais agradável para os porcos”, diz Liesbeth Bolhuis. “Porque uma alta concentração de amônia leva ao estresse e afeta o olfato. E o olfato é o sentido mais importante para os porcos, para reconhecer os outros da sua espécie.”

BASE RACIONAL

Bolhuis esteve envolvido no desenvolvimento do galpão desde as primeiras reuniões de brainstorming sobre a pergunta de Sijpkens: ‘o que o porco quer?’. “Queremos que nossas suposições sobre um ‘porco feliz’ tenham uma Base Racional. Então, estamos estudando as interações entre os porcos e entre os porcos e esse novo sistema de galpão.”

“O modelo financeiro e econômico do ‘The Family Pig’ é um aspecto atraente para os criadores convencionais de porcos? Não torna a carne de porco muito mais cara? Os custos de construção de um galpão Family Pig são os mesmos de um galpão convencional”, diz Sijpkens. O saneamento separado custa o mesmo que um poço de chorume, por exemplo. Extras como os viveiros e o sistema de dispersão de alimentos não aumentam as despesas, e os custos provenientes da alimentação são os mesmos. “Achamos que economizamos em custos médicos e em transporte. E nossos leitões crescem mais rapidamente até os 120 quilos nos quais estão prontos para o abate. Dessa forma, evitamos o transporte caro das unidades de produção para as fazendas de porcos, dos quais elas passam pela engorda, o que também é estressante para os porcos.”

O programa “The Family Pig” não é necessariamente destinado a um açougue ao ar livre que vende carne local ou à seção orgânica do supermercado. “Queremos atender a todos os segmentos de mercado”, diz Tjacko Sijpkens. “Não olhamos para o rótulo da carne, mas para os rabos abanando de nossos leitões”.

APOIO AO “THE FAMILY PIG”

O “The Family Pig” está trabalhando em um novo conceito de consórcio, com o apoio da União Europeia, do Ministério de Assuntos Econômicos e da província de Brabante do Norte. Trabalhando com o fundador Tjacko Sijpkens e sua empresa Big Developments, e Wageningen University & Research, são a empresa de TIC Noldus de Wageningen (produtora de um chip com um sistema de rastreamento na orelha do porco), Inno + (sistema climático de economia de energia, principalmente refrigeração) e a empresa de construção Dura Vermeer. O orçamento para cinco anos é de 4,3 milhões de euros, dos quais 2,5 milhões são de financiamento público. Outros contribuintes são Agrifoodcapital e o município de Boekel, com conhecimento e um lote de terra, respectivamente.

*Texto traduzido e adaptado do inglês.

FONTE: WAGENINGEN WORLD MAGAZINE

Posts relacionados

O leite na era 4.0: a importância da inovação na produção

O leite na era 4.0: a importância da inovação na produção

Atualmente, vive-se numa era de transformações contínuas e também de incertezas, que exigem rápida e constante adaptação. Na Economia 4.0, o digital e o real se misturam de forma indissociável e promovem alterações profundas nos modelos de negócio. Inteligência e...

Urgência

Urgência

Vez ou outra, quando se fala da importância da inovação e da tecnologia no campo, é fundamental apresentar os desafios que o agronegócio enfrenta para efetivamente ter acesso a esse meio. A revista Globo Rural, na última edição, apresentou uma pesquisa da Embrapa em...

Como um software de gestão agrícola contribui nas fazendas

Como um software de gestão agrícola contribui nas fazendas

Alguns produtores rurais conhecem muito bem as atividades mais operacionais das fazendas, mas pouco sobre a administração técnica e precisa. Mas saiba que é possível controlar os custos e melhorar toda a gestão da sua fazenda com um software de gestão agrícola Eles...