Crescimento de plantas no espaço: um salto para o futuro da Agricultura Espacial Brasileira

No universo infinito das possibilidades, a agricultura espacial brasileira emerge como uma fronteira empolgante e desafiadora.

Um potencial colossal para o agro

Cerca de 40 pesquisadores de 13 renomadas instituições brasileiras uniram-se para explorar este terreno ainda pouco conhecido. Mas de potencial colossal para o futuro da humanidade e da exploração espacial. A parceria inovadora entre a Embrapa e a Agência Espacial Brasileira (AEB) em setembro de 2023 marca um passo significativo na contribuição do Brasil ao programa Artemis da NASA, que aspira estabelecer bases sustentáveis na Lua e, eventualmente, em Marte.

Este movimento audacioso não é apenas um passo na corrida espacial global, mas também um reflexo do reconhecimento da expertise brasileira em agronomia.

Portanto, com o olhar fixo nas estrelas, o Brasil busca replicar seu sucesso agrícola nas vastas e inóspitas extensões do espaço.

A ciência por trás da agricultura espacial brasileira

O cultivo de alimentos fora da Terra apresenta desafios únicos: microgravidade, radiação cósmica e a ausência de recursos naturais essenciais como água e oxigênio. No entanto, a inovação na forma de estufas espaciais e o desenvolvimento de técnicas como hidroponia e aeroponia estão pavimentando o caminho para superar essas barreiras. Pesquisadores da NASA já realizaram avanços significativos, utilizando luzes LED para otimizar o cultivo em ambientes controlados, uma tecnologia que agora também alimenta fazendas verticais urbanas.

Na Estação Espacial Internacional, sistemas avançados como o Veggie e o APH permitem que astronautas desfrutem de vegetais frescos, uma conquista que sublinha a viabilidade da agricultura em ambientes extremos e a importância de frescor e nutrição em longas missões espaciais.

A contribuição brasileira: batata-doce e grão-de-bico no espaço

Sob a liderança de Alessandra Fávero, engenheira-agrônoma da Embrapa, o Brasil foca na adaptação de duas culturas robustas: batata-doce e grão-de-bico. Essas plantas foram escolhidas não só pela sua importância nutricional, fornecendo carboidratos e proteínas essenciais, mas também pela capacidade de adaptação a condições adversas, como aquelas encontradas no espaço.

Então, essas pesquisas buscam desenvolver cultivares que resistam às condições de microgravidade e radiação, fundamentais para garantir a segurança alimentar de futuras colônias extraterrestres. O trabalho de seleção de plantas mais eficientes no uso de água e nutrientes e mais resistentes a estresses ambientais é crucial para esse objetivo.

Tecnologias inovadoras para o monitoramento de cultivos espaciais

Um aspecto fascinante da agricultura espacial é o desenvolvimento de tecnologias que permitam a monitorização e ajuste dos cultivos à distância. Gustavo Maia, da Universidade Federal de Pelotas, está na vanguarda do desenvolvimento de interfaces planta-computador que utilizam sinais bioelétricos para monitorar o estado fisiológico das plantas. Esta tecnologia não apenas permite intervenções precisas sem intervenção humana direta, mas também pode fornecer insights valiosos sobre a saúde das plantas em ambientes extremos.

Perspectivas e expansão da pesquisa

O compromisso do país com a agricultura espacial brasileira não termina aqui. A rede de pesquisadores planeja expandir suas investigações, possivelmente realizando experimentos na ISS, e busca apoio financeiro para levar sua visão adiante. Com um financiamento potencial de R$ 20 milhões da AEB e colaborações internacionais, o projeto se posiciona na fronteira da ciência agrícola e espacial.

Este projeto não apenas eleva o status do Brasil na comunidade científica internacional, mas também tem potencial para revolucionar a maneira como pensamos sobre cultivo e sustentabilidade, tanto na Terra quanto além.

Fonte: CNN

Previous
Next

Gostou? Compartilhe!

Previous
Next

Últimas notícias

Conteúdos gratuitos

A Digital Agro é uma plataforma completa com várias iniciativas em tecnologia e inovação para o campo. Inscreva-se para receber gratuitamente o conteúdo e ficar por dentro das novidades do agro.