Um levantamento feito pela empresa americana Cargill mostrou que de 11 países, o Brasil é o que possui mais consumidores preocupados com sustentabilidade. Os pesquisadores entrevistaram mais de 6 mil consumidores dos principais supermercados do mundo. De acordo com o levantamento, a preocupação com a sustentabilidade é um critério de compra adotado por mais da metade dos consumidores que levam para casa itens com gorduras e óleos na composição.

A pesquisa, chamada de FATitudes, aponta um crescimento, entre 2019 e 2021, de 4 pontos percentuais, de 51% para 55%, na intenção dos consumidores levarem para casa alimentos com referências à adoção de práticas sustentáveis. A mudança é tida como considerável pelos especialistas da companhia dado o período de apenas dois anos entre um levantamento e o outro.

Resultados

Segundo o levantamento, o Brasil e México tiveram um aumento de 13 pontos no impacto de compra frente a declarações de sustentabilidade entre 2019 e 2021. As declarações de sustentabilidade agora impulsionam as decisões de compra para 74% dos consumidores brasileiros e 66% dos mexicanos.


Na Índia, 67% dos consumidores são mais propensos a comprar alimentos embalados com alegações de sustentabilidade. Isso representa um aumento de 11 pontos em relação a 2019.


Já no Reino Unido, 51% dos consumidores dizem que dão mais ênfase à sustentabilidade, um salto de 8 pontos em apenas dois anos. E nos nos Estados Unidos, 37% dos consumidores indicaram estar mais propensos a comprar alimentos embalados com alegação de sustentabilidade, um aumento de 6 pontos em relação aos resultados de 2019.
Além dos países citados acima, participaram da pesquisa: Austrália, China, França, Alemanha, Filipinas e Rússia.

Que tipo de sustentabilidade você procura?

Os pesquisadores perguntaram também que tipo de referência à sustentabilidade eles estavam procurando. E as expressões com maior peso no rótulo demonstraram ser “origem sustentável” e “conservação de recursos naturais”. Elas ficaram bem à frente de reivindicações mais específicas, como “comércio justo”, “uso reduzido de embalagens” e “salários justos”, considerando a totalidade dos países participantes da pesquisa.

“Nossas descobertas demonstram, claramente, que as mensagens em torno da sustentabilidade estão causando impacto nos consumidores”, disse Nese Tagma, Diretor Administrativo de Estratégia e Inovação do Negócio Global de Óleos Comestíveis da Cargill, em nota.

Florian Schattenmann, Diretor de Tecnologia e Vice-Presidente de Inovação e P&D da Cargill, afirma que esses insights confirmam a necessidade de incorporar práticas sustentáveis ​​em todos os aspectos das operações da companhia.

“Isso inclui tudo, desde nossas práticas de fornecimento até instalações de processamento e se estende para o desenvolvimento de novos produtos”, afirma Schattenmann. Segundo ele, está claro que a sustentabilidade é tão importante quanto o desempenho de um produto inovador ou seu custo.

(Com informações da AgTech Garage)