A pecuária de corte se mostrou forte frente aos desafios impostos neste ano. Segundo o Censo de Confinamento DSM 2021, o Brasil possui atualmente 6,5 milhões de animais em confinamento, um crescimento de 2% em relação ao ano anterior. Parte deste crescimento, de acordo com especialistas, deve-se à adoção de novas tecnologias no campo.

A atividade representa cerca de 10% do PIB do agronegócio brasileiro. Apesar de 2021 ter sido desafiador para o setor, muitos produtores viram na tecnologia uma alternativa para superar os obstáculos. A partir da adoção dos novos equipamentos digitais, a atividade se mostrou resiliente às adversidades e ainda mais importante para a economia do país.

“Se, por um lado os preços recordes da arroba e do leite beneficiaram os pecuaristas, por outro, a alta dos custos produtivos desafiou a gestão e a resiliência dos produtores, que tiveram de lidar com a variação do dólar, aumento de preços do milho, da soja e de outros insumos”, comenta Sergio Schuler, vice-presidente do negócio de Ruminantes da DSM para a América Latina.

É nesse ambiente que o executivo avalia que a aplicação de tecnologias que aumentam a produtividade da pecuária tornou-se ainda mais evidente. “É possível dizer que os desafios impulsionaram a adoção de tecnologias nas fazendas, pois os produtores tiveram de manter o foco nos resultados em todos os ciclos, desde a cria, quando os suplementos ajudam a gerar bons bezerros, passando pela suplementação para buscar ganho de peso dos bovinos de corte e o aumento da produção das vacas de leite”, comenta Schuler.

Segundo o diretor de marketing do negócio de Ruminantes da DSM, Juliano Sabella, existem diversas inovações relevantes e que melhoram os índices zootécnicos dos bovinos de corte e leite e a rentabilidade dos produtores. Destaque para os aditivos CRINA® e RumiStarTM, ingredientes de alta tecnologia exclusivos da DSM que, combinados aos Minerais Tortuga, trazem uma série de benefícios para aumento da produtividade. Destaque também para o Hy-D®, aditivo que, ao ser incluído na dieta dos bovinos, garante absorção mais rápida e eficiente dos macrominerais, melhorando o rendimento de carcaça, produção de leite e índices reprodutivos, elevando os índices zootécnicos e gerando benefícios de bem-estar animal e segurança alimentar.

Recorde de confinamento

Regionalmente, os três estados com maior rebanho confinado esse ano são Mato Grosso, São Paulo e Goiás, com 1,38 milhão, 1,12 milhão e 1,07 milhão de bovinos, respectivamente. O estado onde o confinamento mais cresceu, contudo, foi o de São Paulo, com alta de 17% sobre o ano anterior, quando foram anotados 959 mil animais confinados, com Paraná registrando alta de 16% (de 328 mil para 379 mil animais) e Mato Grosso do Sul com alta de 6% (de 753 mil para 798 mil animais). Com relação à retração, o número de bovinos confinados reduziu 16% no Pará (de 206 mil para 173 mil bovinos) e na região do MAPITO – Maranhão, Piauí e Tocantins (de 224 mil para 188 mil bovinos) e em Santa Catarina, onde caiu 13% (de 155 mil para 134 mil bovinos).“O histórico de crescimento constante dos números do levantamento da DSM comprova que o pecuarista brasileiro está intensificando cada vez o seu sistema de produção sendo o confinamento uma ferramenta estratégica para melhorar a produtividade do rebanho e para auxiliar na introdução de tecnologias que impulsionam os resultados zootécnicos e a receita da fazenda”, avalia Hugo Cunha, gerente técnico nacional de Confinamento da DSM.

(Com informações de Agrolink)