Produzir cada vez mais, de maneira sustentável é um desafio constante, principalmente nos grandes centros urbanos. A agricultura vertical surge, então, como alternativa a esse obstáculo. A técnica combina sistemas automatizados com tecnologias, diminuindo o impacto ambiental e possibilitando que a produção saia da zona rural e possa ser realizada em prédios, por exemplo.

Cientistas da Wageningen University & Research, juntamente com colegas internacionais, publicaram um artigo na renomada revista científica Nature Food sobre o tema. Segundo os autores, a agricultura vertical “é uma solução para a produção local de alta qualidade de frutas e verduras frescas, perto dos consumidores em áreas urbanas. Pode ser feita em qualquer lugar, independente do clima ou tipo de solo”.

Agricultura vertical é um termo genérico para um método de cultivo em uma variedade de estruturas, como prédios vazios, câmaras de crescimento especialmente construídas ou contêineres. A natureza fechada do sistema permite adequar as condições de luz, clima, água, fertilizantes de acordo com as necessidades da cultura.

“A produção e a qualidade podem ser planejadas todos os dias do ano. Você tem controle total, também sobre o teor de nutrientes, embora nossa compreensão desse campo ainda precise crescer”, diz o coautor Leo Marcelis, professor de Horticultura e Fisiologia do Produto na Universidade e Pesquisa de Wageningen.

Além dos benefícios já citados, esse sistema ainda é sustentável. Com ele, o consumo de água e nutrientes é baixo e requer pouco espaço. Inclusive é possível cultivar sem agrotóxicos. Por outro lado, os gastos com eletricidade e o os investimentos necessários são altos. Mas, apesar dos custos, os investidores pretendem apostar alto na tecnologia nos próximos anos.

(Com informações de Agrolink)