Que a transformação digital está impactando toda a cadeia de produção de alimentos do mundo, não é novidade. Mas, uma novidade promete trazer ainda mais inovação no Brasil. Na última sexta-feira (21) a Agência Nacional de Aviação Civil (Anac) aprovou a primeira autorização para que o iFood faça entregas com drones. A modalidade é fruto de uma parceria entre a empresa de delivery e a Speedbird Aero.

A permissão foi concedida ao modelo DLV-1 NEO da fabricante Speedbird Aero. Este é o primeiro drone a receber sinal verde para operar no país em rotas BVLOS (Beyond Visual Line of Sight, em inglês), ou seja, além da linha visual do piloto.

Divulgação IFood

O iFood poderá realizar entregas de cargas de até 2,5 Kg em um raio de 3 km, inclusive em espaços urbanos. E apesar da permissão, ainda existem alguns requisitos a serem respeitados, como não sobrevoar pessoas, manter distâncias de possíveis fontes de interferências eletromagnéticas, observar alturas máximas e mínimas e levar em consideração as condições meteorológicas.

“É esperado que o ganho de experiência prática e o desenvolvimento de novas ferramentas e soluções tecnológicas permitirão no futuro operações cada vez mais avançadas com menos restrições e em maior volume com manutenção de um elevado padrão de segurança operacional”, anunciou a Anac.

Chega de atraso

Divulgação IFood

Uma das vantagens que essa autorização trouxe ao serviço é a agilidade nas entregas. Diz aí que nunca ficou frustrado com uma entrega atrasada? Mas, segundo o head de logística e inovação do iFood, Fernando Martins, isto não significa que toda a extensão será feita com um drone. O equipamento fará apenas uma parte do trajeto. Ele explicou que os drones levarão os pedidos até um droneport (área específica e segura para pousos e decolagens de drones), onde são coletados por um parceiro entregador do iFood. A partir daí a entrega é feira em mãos para o cliente.

Apesar da decisão ser inédita, o uso de drones para entrega no iFood já vem sendo debatido desde 2020. Em agosto do mesmo ano foi emitido, pela Anac, um Certificado de Autorização de Voo Experimental (CAVE), para que a tecnologia fosse testada. O experimento foi realizado em Campinas (SP) pouco tempo depois.

Em dezembro de 2021 foi feito outro teste em Aracaju (SE), no qual foi testado um trajeto entre duas cidades. Na ocasião, o drone atravessou o rio Sergipe a partir do Shopping RioMar Aracaju e percorreu 2,8 km até Barra dos Coqueiros, cidade vizinha da capital sergipana. A viagem, que levaria de 25 a 55 minutos pelo trajeto terrestre, levou 5 minutos 20 segundos pelo ar.

(Com informações de Tecnoblog)