Você já ouviu falar em tokenização? O processo de transformação de ativos do mundo real em representações digitais em blockchain está ganhado força no mundo todo. Mas se você pensa que apenas ativos financeiros podem entrar na jogada, está enganado. Uma startup argentina que acabou de chegar ao Brasil pretende tokenizar também o agronegócio.

A Agrotoken quer digitalizar o setor com a tokenização de toda a produção do agro, até mesmo a de carne. Inicialmente, contudo, eles estão se concentrando em soja, trigo e milho. Com operação na Argentina, no Brasil e a expansão já prevista para os EUA, o potencial de tokenização da soja, por exemplo, engloba boa parte da produção global, já que os três países são os maiores produtores do grão.

De acordo com uma matéria publicada na Exame, a primeira operação já foi realizada por aqui. Ela foi feita em parceria com a plataforma brasileira AgroGalaxy. O objetivo até o final do ano é digitalizar cerca de 100 mil toneladas de grãos.

Imagem: Unsplash

“Nosso foco, agora, é chegar aos pequenos e médios produtores rurais, às cooperativas, aos distribuidores, e apresentar nosso modelo de negócio inovador, que irá facilitar o acesso ao crédito digital e possibilitar a democratização no campo. A tecnologia da Agrotoken vai permitir realizar diversas operações por meio de ‘grãos digitais’, desde pagamentos cotidianos a compras de grandes insumos e equipamentos. Além disso, os clientes poderão fazer consultoria em tempo real sobre o índice de valor de grãos e solicitar empréstimos”, disse Eduardo Novillo Astrada, CEO e cofundador da Agrotoken.

Por que tokenizar?

A tokenização garante agilidade e liquidez para as operações no agro. Ela também pode ser eficiente para garantir previsibilidade para os produtos e também pode ser vista como uma forma de captação de recursos, já que os tokens poderão ser usados como lastro para operações de crédito no sistema financeiro tradicional.

(Informações da Revista EXAME)